Destaques
Vídeos 
Fotos 
Premiados 
Discurso de Abertura 
Apresentação VCIT 
Premiados do XIII VCIT 
Premiados Ed. Anteriores 
 
Organização

Gesventure


APCRI

 
Sponsors


IAPMEI


APCRI




 
VCITs Anteriores
VCIT 2013
VCIT 2012
VCIT 2011
VCIT 2010
VCIT 2009
VCIT 2008
VCIT 2007
VCIT 2006
VCIT 2005
VCIT 2004
VCIT 2003
VCIT 2002
VCIT 2001
PREMIADOS


EMPREENDEDOR DO ANO

Luís Silva - WIT-Software - www.wit-software.com

Luis Moura Silva is an Associate Professor in the University of Coimbra.

He graduated in Informatics Engineering in 1991, from the University of Coimbra.

He received his M.Sc. in Computer Science from the Technical University of Lisbon in 1993 and his PhD from the University of Coimbra in 1997.

Up to this date he has published more than 110 scientific papers in International Conferences, some Journal articles and two Book chapters.

His current research interests include autonomic computing, recovery-oriented computing, dependable web-services, fault-tolerance for grid computing and desktop grids.

He is now involved in the collaboration between Portugal, the University of Texas-at-Austin 43 and the University of Carnegie-Mellon to support dual degrees and research collaborations in the area of Advanced Computing.

He is also the founder and CEO of WIT-Software, which is a spin-off company that develops software for mobile communications for clients like Vodafone, ESA, Alcatel, Panasonic, RealNetworks, among others.



Em termos empresariais tudo começou em 2001, quando a Wit Software arrancou como uma spin-off, empresa que nasceu de um grupo de pesquisa da Universidade de Coimbra.

Foi neste meio universitário que a veia tecnológica veio à tona e a empresa se começou a impor como uma referência na criação de novas soluções e no domínio das tecnologias emergentes.

Posteriormente a Wit Software surpreendeu o mercado com uma tecnologia inovadora, a nível mundial, que permite a convergência entre os meios tecnológicos existentes: telemóveis, computadores pessoais e internet, bem como entre set-top boxes de televisão e consolas de jogos.

Esta última combinação permite que espectadores ou aficcionados, comuniquem entre si sem terem de sair do sofá da sala.

Em abril passado a WIT foi distinguida, em Barcelona, com o IMS Industry Award for the Most Innovative Service Launch Enabled by IMS), tendo sido a outsider ao lado dos gigantes Oracle, Mavenir e Huawey.

Em 2013, as exportações da WIT, especializada em software para operadores mundiais de telecomunicações móveis, representaram mais de 80% do volume de facturação.

O volume de negócios alcançado, em 2013, foi de 10 milhões de euros dos quais 8.100 milhões foram no mercado externo.

Em termos de recursos humanos a empresa atingiu em 2013 148 empregados.

A WIT Software, de Coimbra, e o seu CEO, Luís Moura e Silva, venceram o Prémio INSEAD Empreendedorismo 2013-2014, que distingue uma empresa e um gestor de referência entre as PME nacionais.

Em termos de métricas empresariais merece saliência o facto de a empresa yer revelado um crescimento médio anual, no período compreendido entre 2010 e 2013, no Volume de Negócios de 25%, nas Exportações de 37.23%, no número de colaboradores de 25.47% e m índice de solvabilidade a 31.12.2013 de 83.72%.






INTRAPRENEUR DO ANO

Pedro Ribeiro

Pedro Ribeiro é um exemplo cabal de como a persistência, espírito de sacrifício e qualidade de trabalho são chaves do sucesso. Aos 38 anos, é um gestor de topo mundial, com créditos firmados e um dos homens mais conhecedores da área que cedo decidiu a abraçar: a gestão dos centros comerciais.

Quando, aos 16 anos, um adolescente recebe um convite, meio na brincadeira, para não ir de férias com os pais, mas ajudar numa loja e aceita esse desafio, a predisposição para o risco e para o trabalho estão bem patentes. E foi esse comprometimento com o trabalho, com os desafios, e a capacidade de querer agarrar as oportunidades com toda a força que o levou, aos 21 anos, a já ser responsável pela gestão de uma equipa de 25 pessoas.

Pedro Ribeiro teve a sua primeira experiência de gestão numa loja da Levi Strauss. Aos 27 anos já entrava na gestão de grandes superfícies, integrando uma equipa que ergueria o projecto do The Style Outlet, em Vila do Conde.

Ao mesmo tempo que estava empenhado em desafios de grande envergadura, Pedro Ribeiro continuava a aumentar as suas competências, estudando à noite. O modelo vencedor implementado em Vila Conde foi um trampolim na carreira de Pedro Ribeiro. Em 2006, o The Style Outlet era distinguido como o melhor outlet da Europa. Foi assim que surgiu o convite para se tornar no director-geral daquele que seria na altura o maior centro comercial de formato outlet na Península Ibérica: o Outlet Tui, em Espanha.

Regressou depois a Portugal para ser director-geral do grupo francês E.Leclerc e foi director-geral do Fórum Viseu, onde esteve três anos.

Pedro Ribeiro costuma dizer que a área dos centros comerciais é daquelas que requer maior especialização, muito conhecimento das especificidades do sector e, muito importante, credibilidade junto das marcas.
Requisitos fundamentais para quem teria de encabeçar um projecto gigantesco como o Mall of Qatar, em Doha.

É responsável, neste momento, pela gestão de um dos maiores orçamentos mundiais nesta área, a rondar os dois mil milhões de dólares. Isto porque já trabalha afincadamente na construção de outro grande projecto, o “Doha Outlet Mall”, tido como um “Super Regional Shopping Center” e idealizado para ser o grande destino comercial do Médio Oriente.

Por isso, ter 32 directores a reportar directamente não lhe pôs um grande peso sobre os ombros, mesmo que nem tudo seja “um mar de rosas”: “É uma questão de organização, dividir responsabilidades e incentivar uma vasta equipa que partilha comigo cerca de 12 horas por dia”.

Actualmente frequenta um MBA numa universidade nos Estados Unidos, que o obriga a estar online vários dias por mês.

Sabe que é ainda mais difícil manter-se no topo do que lá chegar. Mas um homem que não consegue dizer «não» a um desafio e que tem sempre vontade de se superar tem os trilhos do sucesso aos seus pés.

Pedro Ribeiro é um exemplo de como os portugueses sabem fazer bem e são capazes de ombrear com os melhores a nível internacional. É por isso com muito gosto que a organização deste evento entrega, neste ano, o prémio Internacionalização a Pedro Ribeiro”.





AUTARCA EMPREENDEDOR

Carlos Filipe Camelo - Câmara Municipal de Seia - www.cm-seia.pt

É, actualmente, Presidente da Associação de Desenvolvimento Rural da Serra da Estrela (ADRUSE)

Novas empresas têm vindo a instalar-se, no Concelho de Seia, criando centenas de novos postos de trabalho e anunciam-se novos investimentos. O Concelho está mais atrativo. Desde o abastecimento de água, ao saneamento básico, à construção de escolas e de equipamentos desportivos e de lazer, à cultura, ao ensino, ao turismo, à recuperação do património ou no apoio ao movimento associativo e restantes instituições, entre outras áreas.

Assumindo a sua preocupação «com o envelhecimento da população e o despovoamento», a captação de novos investimentos para o município e a continuidade «à grande relação entre a economia e o ambiente, no sentido de o ambiente ser colocado como referência no âmbito nacional» como é o caso da criação da rede das Aldeias de Montanha(1), «estão a ganhar força e alento».

(1) rede de aldeias históricas que pretende a valorização e promoção territorial do potencial associado ao turismo e produtos de montanha, que ainda há pouco tempo, deu o salto de projeto de cariz municipal, com epicentro em Seia para um projeto de carater supramunicipal envolvendo municípios como Gouveia, Fornos de Algodres, Oliveira do Hospital, Celorico, Guarda, Fundão, Manteigas, Covilhã.

Destaca-se igualmente a forte aposta, feita pelo Autarca Carlos Filipe, no âmbito do programa de apoio ao empreendedorismo que se encontra em curso, fundamental para o crescimento empresarial do concelho, o qual foi desenvolvido no seio da ADRUSE e mais tarde no seio da CIM Serra da Estrela e posteriormente na CIM das Beiras e Serra da Estrela.

Sabendo que este processo de socialização emerge, hoje mais do que nunca da Escola, foi a partir dela, desde o 1º ciclo até ao ensino superior, que o Dr Carlos Filipe Camelo se orgulha de ter contribuído para a geração de uma dinâmica, nos últimos 3 anos, de trabalho em rede com os atores supramencionados, que permitiu envolver cerca de 1500 jovens de cinco concelhos do território ADRUSE.

Tendo a nossa Organização tido o privilégio de acompanhar o excelente desempenho protagonizado pelo Autarca Empreendedor, Carlos Filipe Camelo, na criação de condições que permitam o desenvolvimento e competitividade económica local e a equidade social não podemos deixar de recomendar a leitura da comunicação que o premiado proferiu recentemente, num jantar com mais de 140 empresários do Concelho a qual atesta bem o trabalho desenvolvido junto da sociedade civil e empresarial. http://franciscobanha.com/2014/10/14/seia-um-municipio-empreendedor






EMPRESA INTERNACIONALIZAÇÃO 2014

Sendys - www.sendys.pt

Sendys Portugal é uma empresa tecnológica portuguesa, com uma história de 30 anos, sendo uma das mais antigas software houses do mercado, que detém um produto próprio com comercialização e suporte directo ao cliente, o Sendys ERP, um software de gestão.

Relativamente às origens da empresa, a Sendys nasceu enquanto um produto da empresa Prológica, em 1984, rumando posteriormente para a Geslógica e depois para a Capgemini, uma consultora multinacional francesa, onde permaneceu durante 13 anos.

Seria no final de 2009, após um acordo com a Capgemini, que se daria a criação da Sendys Portugal enquanto empresa. O software da empresa foi concebido para diferentes áreas empresariais, permitindo a automatização e integração de processos e ar mazenamento de toda a informação de negócio, nomeadamente nas áreas Financeira, Recursos Humanos, Marketing, Comercial & CRM (gestão de relação com o cliente), Produção e Operações e Logística.

Em 2011, a Sendys desenvolveu uma aliança estratégica com a Alidata, empresa na área das TI, igualmente com 30 anos de história. Em termos de produto, o software de gestão, inicialmente com a marca SIG, deu lugar ao Sendys, num processo de rebranding estratégico com intuito de reposicionamento da marca.

Tendo crescido em 2013 14% face a 2012, atingindo um volume de negócios de 4.3 milhões de euros e com cerca de 110 colaboradores entre a Sendys e a Alidata, orgulha-se de ter conseguido nos ultimo ano entrar nos mercados de Angola, Moçambique, Cabo Verde e Brasil que representam cerca de 40% do seu volume de negócios.






EMPRESA INOVAÇÃO 2014

CEI - Companhia de Equipamentos Industriais - www.ceigroup.net

Criada em 1995 por três empreendedores - Agostinho da Silva, Fernando Sousa e Alvaro Gouveia - que tiveram a particularidade de se mudarem de Lisboa para S.João Madeira uma vez que o seu primeiro projecto foi proporcionado pelo Centro Tecnológico do Calçado mais concretamente a produção de tecnologia de corte automático.

Actualmente é líder mundial no fabrico de máquinas de corte a jacto para a indústria do calçado mas também produz máquinas que cortam peles, pedras e chapa em todo o mundo.

Com clientes como a Harley Davidson, bombeiros americanos, caiaques Nelo, Louis Vuitton a empresa apostou sempre na Inovação - cerca de 20% do seu volume de negócios anual- como forma de conseguir alcançar os mercados globais conforme o demonstra o facto de recentemente ter ganho um concurso para uma empresa de rochas ornamentais do Qatar no qual defrontou empresas americanas, italianas e alemães.